Alunos formados pelo CVT participam do I Workshop Metal Mecânica
Qua, 21 de Maio de 2014 10:10
PDF Imprimir E-mail

O CVT Metalmecânica realizou no dia 15 de maio de 2014 o I Workshop Metalmecânica, em um auditório do Hotel Jangadeiro, no bairro de Boa Viagem, no Recife. O evento faz parte das metas iniciais do CVT e tem como objetivo aproximar do mercado os alunos que foram formados nos cursos oferecidos pelo projeto.

Parte dos profissionais que passaram pelo CVT já encontraram um emprego na área, mas não são todos os que se encaixam no perfil desejado pelas empresas do setor, seja por não serem da faixa etária considerada ideal, ou não terem a experiência anterior na função. O workshop é uma oportunidade para que essas pessoas tenham um contato diferente do habitual com as empresas contratantes, que normalmente se limita à participação em processos de seleção.

"A ideia central é que eles escutem de pessoas da área o que o mercado procura, não apenas em termos de formação, mas também qual o comportamento necessário e o tipo de iniciativa que eles precisam ter para se manterem nesta profissão", explica Carlos Rocha, consultor do CVT Metalmecânica. "Convidamos um representante da indústria, um profissional da área, que atua como professor e inspetor, e também um representante do comércio, pois muitas das pessoas que formamos não sabem que atuar como vendedor técnico também é um caminho a ser seguido para quem tem essa formação". complementa.

No workshop, os egressos do projeto tiveram a oportunidade de não apenas escutar, mas também perguntar. Assim, puderam compreender melhor em que precisam melhorar para serem absorvidos pelo mercado, ou mesmo, na pior das hipóteses, descobrir se a área de metalmecânica não é um caminho a ser seguido por eles, para que possam se reposicionar na busca por um emprego o mais rapidamente possível.

As atividades

Pela manhã, foi realizado um seminário sobre o perfil do profissional desejado pelo mercado. A primeira convidada a interagir com os formandos foi Evelyn Ribeiro, coordenadora de recursos humanos do Promar, estaleiro instalado no Complexo Industrial Portuário de Suape, em Ipojuca-PE. O Promar mantém uma relação de parceria com o CVT e já contratou cerca de dez profissionais formados pelo projeto.

Evelyn explicou que a principal dificuldade é conciliar as expectativas iniciais dos trabalhadores com o período necessário para o desenvolvimento de suas habilidades. "Existem uma série de nuances que só existem na indústria naval. Eles não podem pensar que só porque se formaram já estão prontos para o trabalho. Nas aulas práticas, eles fazem soldas de até um metro, enquanto no estaleiro serão obrigados a fazer soldas de 40, 60 metros, com a mesma qualidade e maior constância", esclarece.

Em seguida, foi a vez do professor George Nascimento assumir o microfone. Professor do IFPE (Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco) há 23 anos, ele trabalha na indústria metalmecânica, na área de montagem, como inspetor de qualidade da Jaraguá, empresa responsável pela montagem dos fornos da refinaria Abreu e Lima, outra das importantes instalações de Suape.

"É de fundamental importância essa parceria da escola com a indústria. Na escola, ele aprende a base, os fundamentos, mas é na indústria que ele os aperfeiçoa", elogia George, destacando que os grandes empreendimentos que estão sendo implantados em Pernambuco fizeram com que a procura por mão de obra especializada aumentasse sensivelmente e a criação de novos mecanismos de parceria entre escola e indústria não pudesse mais ser protelada.

Por fim, Henrique Carvalho, vendedor técnico da Scala Aços, Tubos e Laminados, falou aos alunos sobre a carência de profissionais qualificados para atuar no comércio de tubulações. Henrique reclamou que muitos vendedores não conhecem as especificações dos produtos, e que por isso a iniciativa do CVT é importante não apenas para os alunos, mas também para as empresas que precisam desse tipo de profissional. "Uma pessoa só pode vender se souber exatamente o que está sendo pedido. Sem esquecer da inspeção do material, que também é muito importante", conclui.

À tarde, após o almoço oferecido pelo CVT, os alunos participaram de minicursos de quatro horas, para complementar ainda mais a formação dada pelo projeto. Eles foram divididos de acordo com a formação obtida durante o curso. Os formados em encanador industrial tiveram uma aula de introdução a técnicas de manutenção de tubulação. Já os que se formaram em soldagem receberam mais informações sobre como trabalhar com eletrodos revestidos.

Próximos passos

O CVT iniciará em breve as suas primeiras turmas semipresenciais. As aulas teóricas serão realizadas pela Internet, através de um sistema de Educação a Distância (EaD) disponibilizado pelo projeto. As práticas continuarão acontecendo na sede do Centro, no bairro do Engenho do Meio, no Recife. Por enquanto, não existem novas vagas abertas, mas os interessados devem ficar atentos ao site do projeto, www.cvtmetalmecanica.com.br, para ficarem por dentro do surgimento de oportunidades.

Se hoje o CVT dá uma formação básica para garantir um nivelamento aos que pretendem entrar no mercado, a ideia é ampliar o serviço para aqueles que já estão em plena atuação, mas sentem dificuldades com as novas exigências profissionais que estão surgindo. "A tendência agora é estreitar o relacionamento com as empresas, para requalificar a sua mão de obra, pois identificamos que o pessoal que já trabalha nos estaleiros carece de uma qualificação continuada", defende Carlos Rocha.

Confira abaixo algumas fotos do I Workshop Metal Mecânica: